top of page

A dependência emocional como um mecanismo de fuga da própria responsabilidade emocional.

Quantas vezes nos vemos em relacionamentos ou situações em que a dependência emocional se torna um refúgio para escaparmos da nossa própria responsabilidade emocional? É um padrão intrigante e complexo, mas real. Neste texto, exploraremos a dependência emocional como um mecanismo de fuga da nossa própria responsabilidade emocional e como isso pode afetar nossas vidas.


Para compreendermos melhor essa dinâmica, vamos mergulhar nas descobertas de estudiosos do comportamento humano. Um estudo realizado por Baumeister e Leary em 1995, chamado "The Need to Belong: Desire for Interpersonal Attachments as a Fundamental Human Motivation", mostra que os seres humanos têm uma necessidade intrínseca de pertencer e se conectar com outros indivíduos. Essa necessidade é tão poderosa que muitas vezes estamos dispostos a nos submeter à dependência emocional para preencher esse vazio.

No entanto, ao dependermos emocionalmente de alguém, estamos transferindo a responsabilidade pelo nosso bem-estar e felicidade para essa pessoa. Evitamos encarar nossos próprios sentimentos, desafios e responsabilidades emocionais. A dependência emocional se torna um mecanismo de fuga, um modo de evitar lidar com nossas próprias questões internas.

Mas por que buscamos essa fuga emocional? Estudos, como o realizado por Scharfe em 2010, intitulado "Emotion Regulation and Attachment: A Structural Equation Analysis", sugerem que a dependência emocional pode ser uma estratégia de regulação emocional, uma forma de evitar a dor emocional ou lidar com traumas passados. Ao nos apegarmos excessivamente a alguém, evitamos enfrentar nossos próprios medos, inseguranças e feridas emocionais.

Entretanto, ao utilizar a dependência emocional como um mecanismo de fuga, estamos nos privando do crescimento pessoal e da construção de uma autoestima sólida. Estamos deixando de desenvolver habilidades de autorreflexão, autocompaixão e resiliência emocional. Ao transferir a responsabilidade emocional para outra pessoa, estamos nos desconectando da nossa própria capacidade de lidar com as adversidades e buscar a felicidade genuína.

A superação desse padrão começa com a conscientização e a aceitação da nossa própria responsabilidade emocional. É preciso reconhecer que somos os principais agentes da nossa felicidade e bem-estar. A terapia é uma abordagem eficaz para explorar os motivos subjacentes à dependência emocional, desenvolver habilidades de autorregulação emocional e assumir a responsabilidade por nossas próprias emoções.

Portanto, se você se identifica com a dependência emocional como um mecanismo de fuga da sua responsabilidade emocional, é hora de desafiar esse padrão. Busque auxílio profissional, mergulhe em um processo terapêutico que permita explorar suas emoções, enfrentar seus medos e desenvolver uma relação saudável consigo mesmo(a).

Lembre-se de que a verdadeira autonomia emocional e a responsabilidade por nossa própria felicidade estão ao nosso alcance.


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que fazer quando a saudade aperta?

Saudade. Aquela palavra tão portuguesa, tão nossa. Uma sensação que é difícil de explicar, mas tão fácil de sentir. Quem nunca foi acometido por uma onda de saudade que traz consigo lembranças doces e

Teia de aranha em relacionamentos tóxicos

O que são relacionamentos tóxicos? Relacionamentos tóxicos são como aquelas plantas carnívoras que vemos nos filmes de terror: a princípio, parecem atraentes e inofensivos, mas no fundo são devoradora

Terapia que Funciona

1. Introdução à terapia ACT e sua abordagem única A terapia ACT (Terapia de Aceitação e Compromisso) é uma abordagem terapêutica inovadora que tem se destacado por sua eficácia no tratamento de uma va

Comments


bottom of page